Teixeirinha ganha reedição de 16 de seus discos

Foto: Universal Music/Divulgação

Poucos artistas regionais chegaram tão longe quanto Teixeirinha (1927 – 1985). Tornou-se um verdadeiro mito da música regional gaúcha, desde a sua estreia, em 1959, sobretudo após o estouro da toada-milonga autoral Coração de Luto, no ano seguinte, que transcendeu os limites de seu estado e ganhou o país de Norte a Sul.

Vítor Mateus Teixeira nos deixou há 35 anos – e, para lembrar a data, a Universal Music lança nas principais plataformas de streaming 14 álbuns do cantor gravados nos anos 1960 e 1970, além de duas compilações. Todos tiveram grande sucesso, visto que o artista chegou a ser chamado de “O Rei do Disco”. Teixeirinha gravava uma média de dois álbuns por ano até sua morte prematura, em 1985, aos 58 anos.

Além de cantor e compositor, Teixeirinha foi radialista, comprando os horários nas emissoras locais, para não se sujeitar ao cachê que lhe impusessem, tornando-se líder de audiência por décadas, e também virou ator, participando de filmes – sendo que, a partir do terceiro, a exemplo de Mazzaropi, passou também a produzi-los. Chegou a atuar em pelo menos 12 películas. Fora do meio artístico, ainda teve uma rede de postos de gasolina.

Gravando desde 1959, foi em 1967 que a Copacabana Discos – atual Universal Music – comprou seu passe. Ali, gravou 16 álbuns, permanecendo até 77, todos agora disponibilizados em streaming. Foram gravações em que passeou tanto pelos gêneros gaúchos, como xotes, rancheiras e milongas, quanto pela caipira/sertaneja, em toadas, rasqueados, arrasta-pés e guarânias – além do estilo romântico bem popular à moda de Nelson Gonçalves, registrando valsas, tangos e sambas-canções.

Alguns de seus maiores sucessos nessa fase foram os xotes Querência Amada, espécie de hino extraoficial do Rio Grande do Sul, Mocinho Aventureiro, Tropeiro Velho, O Colono, Não É Papo Furado e Lindo Rancho – todos xotes também –, mais o valseado Amor de Contrabando, o rasqueado Doce Coração de Mãe, o arrasta-pé Chofer de Táxi, a valsa Aliança de Ouro, o tango Cinzeiro Amigo e desafios como Pega e Gruda e Desafio do Martelo, estes ao lado de Mary Terezinha.