Garanta seu kit para participar da Noite dos Museus 2020 de dentro da sua casa

Abra sua casa e deixe entrar a arte e a cultura para celebrar a festa mais bonita da cidade

O Noite dos Museus 2020 é especial, não só pelo formato inédito em que vai ser realizado, mas pela Coleção Noite dos Museus em Casa. A ideia de levar a arte para as janelas é um dos pontos principais do evento neste ano. Por meio de 15 opções de kits, cada um deles dedicado a um dos centros culturais participantes, o público poderá deixar seu lar com jeito de exposição e ainda ajudar os espaços culturais de Porto Alegre, que sofreram com meses de fechamento impostos pela pandemia. É um convite para você celebrar com a gente a festa mais bonita da cidade: abra sua casa e deixe entrar a arte e a cultura.

As 15 opções de kits (veja a lista completa de instituições e detalhes dos kits abaixo) incluem reproduções do acervo e da história desses espaços, um cartão com detalhes sobre a produção artística e a revista com conteúdos exclusivos do Noite dos Museus 2020. Cada kit contém um par de reproduções de um item – uma pintura, uma fotografia, uma fachada – em formato A1 em papel manteiga (48 x 68 cm), e couchê (59,4 x 84 cm). A peça em papel couchê é pensada para público expor dentro de casa, e a peça em papel manteiga, para ser fixada nas janelas, na noite do evento, criando uma grande exposição coletiva, já que a folha é translúcida e, com as luzes acesas dentro de casa, as janelas se transformarão em expositoras desses objetos, que ficarão visíveis das ruas.

Os kits já começaram a ser vendidos aqui no nosso site, por R$ 30,00. Ao final da ação, o lucro das vendas será revertido em doações para esses espaços culturais investirem em suas reaberturas e em futuros projetos.

Confira detalhes sobre as obras presentes nos das 15 instituições participantes:

  • Planetário da UFRGS Professor José Baptista Pereira

Inaugurado em 11 de novembro de 1972, o Planetário lembra uma nave espacial pousada no solo, rodeada por jardins. Na cúpula de 12,5 metros de diâmetro, o Spacemaster projeta exibições de programas para diversas idades, mostrando o céu de qualquer parte do mundo, tanto do passado como do futuro. Foto: Brenda Klein.

  • Pinacoteca Aldo Locatelli

Despertar foi criada em 1973 por Vera Chaves Barcellos. A gravura, integrante do acervo da Pinacoteca Aldo Locatelli, corta uma incisão atual na velha ferida que não se fecha: a dualidade entre a natureza, entendida como forma viva e bruta, e a cultura materializada na ação humana. Foto: F.Zago-StudioZ. 

  • Museu Julio de Castilhos

A autoria desta figura de anjo é atribuída ao padre jesuíta italiano José Brasanelli (1659 – 1728), mestre na arte escultórica. Do conjunto escultórico pertencente ao acervo do museu, é a única peça com autoria identificada. Foto: Gabriel Costa.

  • Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo

 

Com um acervo fotográfico com mais de 9 mil imagens da Capital entre os séculos 19 e 20, o museu abriga trabalhos de diversos fotógrafos talentosos, como Virgílio Calegari, autor desta imagem da Rua Voluntários da Pátria em fins do século 19.

  • Museu da UFRGS

Inaugurado em 1915 como Laboratório de Resistências de Materiais da Escola de Engenharia, desde 2002 este prédio é sede do Museu da UFRGS, atuando como museu universitário com funções de laboratório de pesquisas, formação educativa, relacionamento entre a comunidade e a universidade. Foto: Acervo Museu da UFRGS.

  • Museu da Comunicação Hipólito José da Costa

A foto em destaque é de Luiz do Nascimento Ramos, o Lunara (1864 – 1937) e remonta à década de 1900, publicada no álbum “Vistas de Porto Alegre – Photographias Artísticas”, com 20 fotografias em gelatina e prata. Trata-se de uma narrativa visual que o autor constrói sobre Porto Alegre, que parece ter sido destinada à comunidade alemã. Foto: Lunara.

  • Museu da Brigada Militar

Esta Harley Davidson – 1.200cc, fabricada em 1970, está em exposição no Museu da Brigada Militar. Esse tipo de motocicleta foi utilizada nos serviços de batedor e patrulhamento em estradas estaduais e em operações de escolta até o final da década de 1990. Foto: Arthur Davidson.

  • Memorial do Rio Grande do Sul

As bolas de boleadeira são peças líticas trabalhadas em pedra por grupos indígenas da tradição umbu. As boleadeiras com duas e três bolas eram geralmente utilizadas na caça da ema. Seu uso foi difundido pelos grupos indígenas do pampa brasileiro e uruguaio e, dada sua eficiência, acabou sendo incorporada como artefato típico da cultura gaúcha. Foto: Morgana Bartz.

  • Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS

Animando (2006), da artista e educadora Téti Waldraff, foi pensada como um adesivo de pequenas dimensões que funcionaria como um múltiplo a ser distribuído e que poderia estar em diversos lugares ao mesmo tempo, podendo ser reproduzido, apropriado, tomado e, principalmente, reinventado pelo olhar de quem lhe dirigisse atenção, em um convite de otimismo: Dê alegria! Imagem: Acervo Artístico MARGS.

  • Goethe-Institut

Esta imagem é uma versão colorida da famosa pintura Goethe na Campanha Romana, de Johann Wilhelm Tischbein (1751 – 1829), produzida especialmente pelo Goethe-Institut München/Alemanha. O retrato de Johann Wolfgang von Goethe (1749 – 1832), realizado na Itália em 1787, lança uma visão contemporânea para um ícone da cultura alemã. Imagem: Goethe-Institut Porto Alegre. O valor da venda dos kits do Goethe-Institut será revertido para o Centro de Referência Afro-Indígena do RS.

  • Cinemateca Capitólio

A única cópia existente de Um É Pouco, Dois É Bom, primeiro longa-metragem dirigido no Estado por um realizador negro, Odilon Lopez (1941 – 2002), está depositada na Cinemateca Capitólio, bem como o cartaz original do filme, de autoria não identificada. O filme mostra uma crítica ao milagre econômico brasileiro e pela contundência na abordagem da questão do racismo. Imagem: Cinemateca Capitólio.

  • CHC Santa Casa

Imagens de roca como este santo são representações sacras para serem levadas em procissões; só as partes visíveis pelo público eram entalhadas e articuladas, como mãos, pés e cabeça. O restante do corpo consistia em uma simples armação de ripas, muito leve, facilitando o transporte em andores. Elas eram cobertas por ricas indumentárias de tecido. Foto: Carol Fornasier. 

  • Centro Cultural CEEE Erico Verissimo

A imagem é uma arte inspirada em um dos vitrais do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo. O nome da primeira companhia a levar luz elétrica para as casas de Porto Alegre está gravado na vitrine, e o CCCEV te convida a refletir, através da sua janela, essa história: são mais de nove décadas de luz e força, de transformação, de vida. Imagem: Roberta Holmos.

  • Casa de Cultura Mario Quintana

Dreaming (2012), de André Venzon, é uma intervenção artística que abre possibilidade para pensarmos a Casa de Cultura Mario Quintana como um espaço de utopia viva, onde sonhadores encontram o que precisam para realizar seus sonhos e transformar realidades. Foto: André Venzon.

  • Pinacoteca Ruben Berta

A tela Retrato de Moça faz parte do acervo da Pinacoteca Ruben Berta. Pintura de 1871 realizada por Almeida Júnior (1850 – 1899), sua presença e convívio entre obras na maioria de perfil modernista causa espanto. Mesmo não sendo a intenção original de Assis Chateaubriand, o idealizador da coleção, havia espaço ali também para artistas do século 19. Foto: F.Zago-StudioZ.

Coleção Noite dos Museus

  • A coleção contém uma caixa temática do evento com uma reprodução tamanho A1 de uma obra em papel couchê, mais uma do acervo e da história desses espaços, no mesmo tamanho, em papel manteiga, além de um cartão com informações sobre a obra e a revista com conteúdos exclusivos do Noite dos Museus 2020.
  • R$ 30,00
  • À venda a partir de quarta-feira (11/11) no site www.noitedosmuseus.com.br/2020 (os kits estarão disponíveis para retirada na semana do evento).

SERVIÇO

  • 5a edição do Noite dos Museus
  • Dia 5 de dezembro, sábado, a partir das 18h
  • Gratuito, com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube e páginas do Instagram e do Facebook do evento