Feriado de 7 de setembro tem live do Moacyr Luz e Samba do Trabalhador

Foto: Marluci Martins/Divulgação

 

Já é tradição, segunda-feira é dia de Samba do Trabalhador. Segunda com feriado, então, o encontro é ainda mais certo. Os shows com público ainda não estão liberados por conta da pandemia do novo coronavírus, mas, para não deixar os amantes do samba na mão, vai ter live: no dia 7 de setembro, a partir das 17h, Moacyr Luz e o Samba do Trabalhador apresentam a clássica roda de samba no Renascença Clube, na zona norte do Rio de Janeiro, com transmissão ao vivo pelo YouTube da cervejaria Praya.

“A gente não vê a hora de poder reencontrar o público presencialmente e ver novamente o Renascença cheio. Mas, enquanto isso ainda não é possível, vamos fazendo esses encontros virtuais, que nos enchem de alegria. Espero que as pessoas sintam essa energia de suas casas e vibrem junto conosco”, diz o anfitrião Moacyr Luz.

Com a formação completa e respeitando todas as medidas sanitárias e de distanciamento, a apresentação contará com um compilado do repertório habitualmente apresentado pelo SDT todas as semanas, há 15 anos – e que sempre reuniu milhares de pessoas no Andaraí, se tornando um patrimônio cultural carioca. Também farão parte do set list músicas do álbum Fazendo Samba, o quinto do grupo, lançado em janeiro de 2020, e pedidos especiais, que aparecerão de surpresa na tela durante a transmissão.

O evento contará com um número reduzido de profissionais, para evitar a propagação da Covid-19, mas, durante toda a transmissão, será possível contribuir para a campanha de arrecadação para ajudar a equipe do Samba do Trabalhador. São músicos, produtores, seguranças, bilheteiros e muitos outros envolvidos que não podem estar presentes neste momento. As doações podem ser feitas através do site Vakinha.

O Samba do Trabalhador é formado por Moacyr Luz (voz e violão), Daniel Neves (violão de 7 cordas), Alexandre Marmita (voz e cavaco), Gabriel Cavalcante (voz e cavaco), Nego Álvaro (voz e percussão), Luiz Augusto Lima Guimarães (percussão), Nilson Visual (surdo), Junior De Oliveira (percussão) e Mingo Silva (voz e pandeiro).

Foto: Marluci Martins/Divulgação