Galeria paulistana inaugura filial em Bruxelas com exposição de Hudinilson Jr.

Galeria Jaqueline Martins em Bruxelas. Foto: Divulgação

 

Galeria Jaqueline Martins, espaço de pesquisa, documentação e exibição de produção artística contemporânea fundada em São Paulo, anuncia a abertura de seu primeiro espaço físico fora do Brasil. A filial terá sede em Bruxelas, na Bélgica, escolhida por sua localização estratégica na Europa e pela forte tradição às práticas conceituais.

Yuri Oliveira será o sócio de Jaqueline Martins no novo projeto. Com ampla experiência no mercado internacional, onde atua desde 2007, Oliveira trabalhou com grandes nomes da arte internacional, desenvolvendo projetos e exposições entre a Europa, América Latina e América do Norte.

Mantendo como diretriz principal o estímulo às práticas artísticas caracterizadas pelo conceitualismo, e por sua postura crítica e muitas vezes subversiva, a Galeria Jaqueline Martins vem desenvolvendo desde a sua inauguração em 2011 um programa de investigação em torno das produções artísticas realizadas durante o período da ditadura no Brasil, em particular nas décadas de 1970 e 1980. Ao integrar práticas que confrontam a cena contemporânea em seu programa de exposições, a Galeria contempla revitalizar o debate que compreende ações artísticas como zona de contato para o exercício de mudanças estéticas, sociais e políticas.

 

“Narcisse”, “Exercício de me Ver II” (1982), de Hudinilson Jr. Foto: Reprodução

A galeria de Bruxelas abre as suas portas com exposição de Hudinilson Jr. (1957 – 2013), um dos principais artistas brasileiros de sua geração, não só por sua produção que influenciou a cena artística brasileira entre as décadas de 1970 e 2000, mas pelo seu papel ativo em coletivos e exposições experimentais. No final da década de 1970, o artista explorou a xerografia, técnica pela qual ficou conhecido.

A segunda exposição em Bruxelas está programada para o final de janeiro de 2021, com a artista Ana Mazzei, que ganha individual também no espaço de São Paulo em 26 de setembro deste ano. Para essa exposição está prevista a colaboração de artistas de teatro, música e dança, com performances e happenings acontecendo de forma silenciosa e se revelando na documentação fotográfica da exposição.

Em abril de 2021, Bruxelas irá receber obras da artista Lydia Okumura. A exposição será dividida em dois momentos: no primeiro mês como individual com pinturas dos anos 1980 e instalações dos anos 1970. A partir de maio, a exposição será reconfigurada para dialogar com fotógrafos modernistas.

 

“Caderno de Referências nº 62” (2000), de Hudinilson Jr. Foto: Reprodução

 

“Gesto IV” (1986), de Hudinilson Jr. Foto: Reprodução