Obras do compositor Marcello Tupynambá ganham releitura em álbum digital

Marcello Tupynambá. Foto: Selo Sesc/Divulgação

 

Poucas são as gravações existentes, hoje, aos novos olhares e ouvidos de quem um dia foi Marcello Tupynambá (1889 – 1953). Das mais de 300 obras compostas pelo compositor de Tietê, cidade do interior de São Paulo, parte segue espalhada por sebos; por registros em vídeos produzidos pelo pesquisador e diretor do Instituto Piano Brasileiro (IPB), Alexandre Dias; ou em acervos históricos, como é o caso do violino e partituras do artista, que são mantidos pelo Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP) e acessíveis pelo Acervo Digital Marcello Tupynambá. Outra parte, até então, permanece na memória afetiva e musical de intérpretes, fãs e apreciadores da edificação das peças do autor.

Filho de músicos portugueses, engenheiro formado pela Politécnica da USP, crítico musical e radialista, o célebre compositor nacional segue como referência às melodias do modernismo paulista e às canções com refrão e estrofes – algo não tão comum à época. Os versos das canções criadas por Tupynambá se destacam por terem sido escritos pelos poetas Afonso Schmidt, Alphonsus de Guimaraens, Amadeu Amaral, Castello Netto, Guilherme de Almeida, Homero Prates, Manuel Bandeira, Mário de Andrade, Menotti Del Picchia e Olegário Mariano, entre outros escritores e alguns representantes da Semana de Arte Moderna de 1922.

O maxixe São Paulo Futuro (1914), faixa-título do álbum digital lançado pelo Selo Sesc, é apontado como marco inicial na carreira do artista. Por causa da repercussão dessa obra, o músico adotou o nome de Tupynambá, pseudônimo de Fernando Álvares Lobo. Disponível a partir de 4 de setembro no Sesc Digital e 9 de setembro nas plataformas de streaming, o disco traz releituras de Fabiana Cozza, Toninho Ferragutti, André Mehmari, Roberto Corrêa, Henrique Cazes, Toninho Carrasqueira, Theo de Barros, Cacilda Mehmari, Dudu Alves, Nailor Proveta, Karina Ninni, Valdo Gonzaga e Hercules Gomes.

 

Marcello Tupynambá (1925). Foto: Selo Sesc/Divulgação

 

Em comemoração aos 131 anos de nascimento do compositor, o diretor musical do CD, J. C. Botteselli, o Pelão, conta que Marcello Tupynambá sempre atuou para o reconhecimento e valorização da arte popular brasileira. “Tupynambá preocupava-se com a música regional, por exemplo: as modas e toadas do interior, com melodias simples e letras inspiradas em assuntos do cotidiano, eram absorvidas e recriadas pelo compositor em versão para voz e piano. Por atuar em diversos campos artísticos, Marcello Tupynambá deve ser considerado um legítimo representante da consolidação da canção brasileira como música nacional por excelência”, afirma.

“O objetivo do disco, cujo destaque está na escolha do repertório e liberdade de interpretação, é contribuir para que Tupynambá seja reposicionado na história da música brasileira ao lado de Pixinguinha, Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga como também fundador da nossa música nacional”, explica Marcelo Tupinambá Leandro, musicólogo, bisneto do compositor e idealizador do projeto.

Com repertório de 11 faixas e versos de Mário de Andrade e Arlindo Leal, o álbum São Paulo Futuro, a música de Marcello Tupynambá, insere-se no compromisso do Selo Sesc de resgatar e preservar composições perdidas pelo tempo, cujas melodias fazem parte da história da cultura do país.

 

Repertório do álbum

Canção Marinha – Fabiana Cozza (canto) e Toninho Ferragutti (acordeon)
Versos de Mário de Andrade e música de Marcello Tupynambá

São Paulo Futuro – André Mehmari (piano)

Viola Cantadêra – Roberto Corrêa (canto e viola)
Versos de Arlindo Leal e música de Marcello Tupynambá

Sereno – Henrique Cazes (cavaquinho)

Tristeza de Caboclo – Toninho Carrasqueira (flautas em sol e flauta baixo)

Canção da Guitarra – Theo de Barros (violão 7 cordas)
Música de Marcello Tupynambá e Aplecina do Carmo

Alma em Flor – Cacilda Mehmari (acordeon) e André Mehmari (piano)

Sou Batuta – Dudu Alves (piano)

Maricota, Sae da Chuva – Nailor Proveta (clarone e clarinete)

Trigueira – Karina Ninni (canto) e Valdo Gonzaga (violão)
Versos de Arlindo Leal e música de Marcello Tupynambá

Coração – Hercules Gomes (piano)
Música de Marcello Tupynambá e Ariovaldo Pires