Loading...
Menu

Uma noite que promete uma experiência sensível e imersiva, repleta de timbres e sonoridades inusitadas que lenta e gradualmente vão se inserindo no imaginário do público presente. Esta é a proposta do Concerto “Uma Noite Balaio de Cordas”! Uma diversidade de “cores” e filigranas culturais é intensamente invocada na performance das em torno de 72 cordas executadas pelos compositores e instrumentistas FELIPE AZEVEDO e ANGELO PRIMON: Viola Caipira, Viola de Cocho, Sitar Indiano, Ukulelê havaiano, Oud árabe, Violões de 6 e 7cordas. Todas elas originárias de diversificados países que somadas formam um caldo cultural de ingredientes tímbricos que fazem deste espetáculo musical uma experiência de escuta única e significativa.

Dois grandes amigos, Ramiro e Bernardo, se reencontram, depois de muitos anos, na casa de repouso Lago Dourado. Ramiro e levado até a casa para viver o tempo que lhe resta na companhia do melhor amigo, por sua única parente, a sobrinha Juliana, ele está com um aunerisma no cérebro que desconhece. A nova convivência faz com que encarem a velhice, suas limitações, as doenças relativas a idade e o confronto com a própria morte, fazendo com que os amigos façam uma reflexāo sobre a existência humana. Mas, este reencontro, também traz a tona, as lembranças dos anos dourados da infância e juventude que passaram juntos numa cidade do interior, tudo com muito humor, lirismo e poesia. Após a apresentação de um trecho do espetáculo, teremos um bate-papo sobre a terceira idade com Nora Prado (diretora do espetáculo) e Zoravia Bettiol (artista plástica, mãe de Nora).

MAINO Canto e Tambor é um grupo feminino de percussão que interpreta músicas do cancioneiro popular brasileiro e de língua espanhola com arranjos que partem dos tambores e vozes, onde a energia do feminino se apresenta exuberante encantando a todos pela simplicidade e pela beleza. O grupo é dirigido pelo percussionista, Mimmo Ferreira e a preparação e arranjos vocais foram orientados pela cantora carioca, Clarisse Grova. O grupo retorna à ativa depois de ter tido uma pausa devido a processos de mudança de cidade de uma das integrantes e gestação de outras duas integrantes. MAINO quer dizer, Beija-Flor no idioma Guarani.

O trabalho de Dunia Elias há muito é reconhecido e prestigiado pelos gaúchos, seja como pianista, como compositora, e como intérprete de sua própria música – e agora se apresenta também como cantora. Sua música retrata a identidade sonora do sul do Brasil, no pedaço de mundo contido entre Brasil, Argentina e Uruguai – a vasta região do Pampa, onde as fronteiras geográficas se confundem e se diluem. Música com tempero jazzístico, revelado pelo colorido das harmonias e pelo improviso. Seu trabalho instrumental mistura choro, milonga, bugio, candombe e música árabe, com originalidade e sofisticação.

Localização

Onde: Av. Independência, s/nº - Independência

Mapa: goo.gl/maps/ZeXfRRoUQyhzpyCW9

O Centro Histórico-Cultural Santa Casa é um espaço multicultural dedicado a preservação e promoção da história, educação e cultura. Sua estrutura abriga um teatro para apresentações de artes cênicas, música, dança, uma biblioteca, salas de pesquisa, sala de aula e oficinas, galerias de arte, Arquivo Histórico e o Museu Joaquim Francisco do Livramento. O centro cultural é aberto a toda a comunidade e oferece acesso gratuito às exposições temporárias e para a exposição permanente Fragmentos de uma História de Todos Nós, composta por um acervo com mais de 7 mil objetos e imagens que contam a história da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre e da medicina praticada nos últimos 200 anos.
Através de reconstituições de cenários que mostram como era o cotidiano dos pacientes e servidores em épocas passadas e também por meio dos recursos de acessibilidade como objetos e painéis táteis, legendas em braile e áudio-guias, o Museu promove uma vivência cultural única aos seus visitantes. Além disso, a equipe de educação patrimonial realiza visitas mediadas para grupos. É nesse amplo acervo documental e museológico de trajetória da Santa Casa que preservamos o núcleo histórico da instituição hospitalar e da cidade de Porto Alegre.

QUE RUFEM OS TAMBORES

se as últimas noites foram incríveis, imaginem essa!