Loading...
Menu

Apresentação de quatro trabalhos solo, realizados por quatro coreógrafos/bailarinos, apresentados em um circuito itinerante em quatro locações públicas/espaços na cidade ao ar livre e diferentes entre si, com música ao vivo, com temática referente ao aquecimento global e suas implicações no cotidiano das pessoas. A partir e baseado nas questões sobre o clima, pretendem chamar a atenção da sociedade para a urgência de tal assunto. Composto por artistas experientes, independentes, que formam um coletivo de artistas, como Eduardo Severino, Luciano Tavares, Luciana Paludo e Cibele Sastre, este trabalho pretende interferir no ir e vir cotidiano dos transeuntes, na paisagem urbana, e na arquitetura das cidades, fazendo com que as pessoas reflitam acerca de sua responsabilidade nisso tudo

Cenas do espetáculo teatral que surgiu em março de 2017. São solos femininos, com escrita feminina, sobre pesquisas autorais, que refazem a memória de mulheres na história e denunciam as violências cometidas contra elas. Poderosas e inquietas, seis atrizes inspiradoras trazem à cena biografias que nos foram subtraídas e histórias que nunca tiveram espaço para serem contadas. MULHERAGEM é uma mandala de mulheres e memória, uma colcha de retalhos imensa, mãos, mentes e pensamentos, arte e vanguarda, ancestralidade, reconstrução de uma mitologia silenciada, histórias que precisam ser contadas. Nas performances estão Juçara Gaspar, Daniele Zill, Manuela Miranda, Juliana Wolkmer, Juliana Kersting e Iassanã Martins.

Desgarrando-se das formas convencionais de compreender o seu instrumento e aliando-se a sonoridades eletrônicas a violinista Clarissa Ferreira traz suas vivências e reflexões através de canções que repensam e atualizam questões do regionalismo gaúcho, temas que aborda em suas pesquisas acadêmicas há dez anos e compartilha através do blog Gauchismo Líquido. Acompanhada de Tamiris Duarte no contrabaixo, Neuro Junior no violão sete cordas, Lucas Ramos na percussão acústica e eletrônica, e da artista visual Livia Koeche nas projeções, apresenta canções e poemas de sua autoria. A estética sonora e visual pretende tocar os espaços sociais musicais das mulheres na cultura gaúcha, buscando demonstrar e exaltar suas subjetividades e expressões sonoras, aliadas a desconstrução, tradição e modernidade.

O trabalho de Dunia Elias há muito é reconhecido e prestigiado pelos gaúchos, seja como pianista, como compositora, e como intérprete de sua própria música – e agora se apresenta também como cantora. Sua música retrata a identidade sonora do sul do Brasil, no pedaço de mundo contido entre Brasil, Argentina e Uruguai – a vasta região do Pampa, onde as fronteiras geográficas se confundem e se diluem. Música com tempero jazzístico, revelado pelo colorido das harmonias e pelo improviso. Seu trabalho instrumental mistura choro, milonga, bugio, candombe e música árabe, com originalidade e sofisticação.

Andrea Perrone violonista autodidata e compositora porto-alegrense, utiliza afinações alternativas e técnicas de outros instrumentos ao seu violão-solo e Thaís Nascimento é professora de música e violonista, a pesquisa acerca do repertório feminino para violão, realizando trabalhos escritos e apresentações. Essa parceria é uma iniciativa da Curadoria da Noite dos Museus.

Localização

Onde: Rua Duque de Caxias, 973 - Centro Histórico

Mapa: goo.gl/maps/JMCMNyAzBHSmbmde8

O acervo original foi doado, em 1971 para a Prefeitura de Porto Alegre pelos Diários Associados. Concebido pelo magnata das comunicações e fundador do MASP, Assis Chateaubriand, contém obras de artistas do século XIX, peças de modernistas como Portinari e Di Cavalcanti, de artistas projetados na década de 1960 e trabalhos de estrangeiros, em especial britânicos.
Por meio deste acervo o visitante é estimulado a perceber o museu como fonte de conhecimentos e vivências culturais além de conhecer a memória do prédio sede. Para tanto, a Pinacoteca posiciona suas atividades na formação de público para o universo das artes, bem como na produção e no conhecimento artístico.

QUE RUFEM OS TAMBORES

se as últimas noites foram incríveis, imaginem essa!