Sextou NDM TV cinema diretores indígenas

 

Para melhor compreender as demandas dos povos indígenas por reconhecimento e justiça, é importante conhecer a diversidade de suas culturas. Desde o seu lançamento, a plataforma de streaming Itaú Cultural Play apresenta uma mostra com cinco filmes que tratam do tema, todos sob a direção de cineastas de diferentes etnias indígena, homens e mulheres. Chamada Um Outro Olhar: Cineastas Indígenas, a mostra tem curadoria de Júnia Torres, documentarista e diretora do festival fórumdoc BH.

Além destes, outros filmes com direção de não indígenas, mas que também abordam a cultura dos povos originários, podem ser vistos: 500 Almas, de Joel Pizzini, que integra uma mostra inteiramente dedicada ao diretor, Taego Ãwa, de Henrique Borela e Marcela Borela, e Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito, de Clea Torres e João Paulo Fernandes, estão presentes na mostra Sapi: Um Olhar do Centro. Dentro da coleção audiovisual do Itaú Cultural, Patxohã, a Língua de Guerreiros, tem produção instituição e direção do jornalista Claudiney Ferreira, gerente do Núcleo de Audiovisual e Literatura da organização

A plataforma tem acesso inteiramente gratuito e o catálogo exibirá permanentemente esse tipo de produção.

 

“As Hiper Mulheres”. Foto: IC Play/Divulgação

 

O documentário As Hiper Mulheres, lançado em 2011, tem direção de Takumã KuikuroLeonardo Sette e Carlos Fausto e produção do Vídeo nas Aldeias. No enredo, em uma aldeia dos indígenas Kuikuro, no Mato Grosso, uma anciã faz um último pedido para o seu companheiro: cantar no Jamurikumalu, o maior ritual feminino do Alto Xingu.

As mulheres se reúnem para ensaiar e preparar a festa, mas a cantora que guarda a memória das antigas músicas está doente. O longa-metragem é uma viagem antropológica ao coração de um ritual feminino ancestral e também um dos filmes indígenas mais premiados e conhecidos no Brasil.

 

“Teko Haxy – Ser Imperfeita”. Foto: IC Play/Divulgação

 

Outro documentário, Teko Haxy – Ser Imperfeita, de 2018, de Patrícia Ferreira Pará Yxapy Sophia Pinheiro, é intimista como um diário pessoal. Ele surge do encontro entre duas cineastas de mundos antagônicos: Patrícia, indígena da etnia Mbyá-Guarani, e Sophia, antropóloga e não-indígena.

A obra chama atenção pela maneira aparentemente despojada com que cria a sua história, lembrando uma troca de cartas ou um filme doméstico. Esse aparente descompromisso é o gatilho para uma reflexão sobre diferenças culturais a partir da ótica feminina.

 

“Wai’á Rini, o Poder do Sonho”. Foto: IC Play/Divulgação

 

Em Wai’á Rini, o Poder do Sonhode 2011, o diretor Divino Tserewahú inicia um diálogo com seu pai, um dos líderes do Wai’á, a festa que, dentro das cerimônias de iniciação do povo Xavante, introduz o jovem na vida espiritual. Entram em cena coreografias, danças e cantos, vistos pelo olhar de uma câmera-participante, integrada à celebração e às personagens.

A partir daí, são reveladas as características desse ritual secreto, essencialmente masculino, no qual os jovens passam por provações e perigos.

 

“Yãmĩyhex – As Mulheres-Espírito”. Foto: IC Play/Divulgação

 

Yãmĩyhex – As Mulheres-Espírito, de 2019, tem direção de Sueli Maxakali Isael Maxakali. Eles jogam luz sobre as yãmĩyhex, espíritos femininos do povo Maxakali, que passam temporadas nas aldeias transmitindo força e autodeterminação, sendo sua despedida acompanhada por uma longa festa. O filme capta a passagem destas mulheres-espírito pela terra de Aldeia Verde, em Minas Gerais, a partir da ótica Maxakali.

Muito mais do que um registro, o filme é o resultado artístico da efetiva participação dos realizadores no ritual das mulheres-espírito. A câmera se integra aos preparativos e à festa de despedida, revelando a beleza de sua cultura.

Sueli Maxakali é também uma das primeiras diretoras indígenas do país. A obra venceu o Prêmio Carlos Reichenbach de Melhor Longa-Metragem na 23ª Mostra de Cinema de Tiradentes, em 2019.

 

“Zawxiperkwer Ka’a – Guardiões da Floresta”. Foto: IC Play/Divulgação

 

Zawxiperkwer Ka’a – Guardiões da Floresta também foi lançado em 2019, sob direção de Jocy Guajajara e Milson Guajajara e produção do Vídeo nas Aldeias. O filme narra a dramática luta dos indígenas Guajajara e Awá-Guajá contra a invasão ilegal de suas terras no Maranhão. Alvo da violência de criadores de gado, caçadores e madeireiros, responsáveis pelo assassinato de seis de suas lideranças, os indígenas mobilizam-se em torno dos Guardiões da Floresta.

O filme apresenta essa história com a tensão digna de um thriller policial, tendo como cenário a última parte preservada da floresta amazônica maranhense. Fortalecendo o protagonismo de suas personagens, a narrativa acompanha de perto as ações de resistência dos Guardiões da Floresta.