Centenário de Maria Clara Machado: 4 motivos para homenagear a maior autora do teatro infantil brasileiro

Maria Clara Machado é a criadora do Tablado, espaço fundamental do teatro brasileiro (Arte sobre foto: Arquivo Pessoal / O Tablado)

Se 2 de abril é considerado o Dia Internacional do Livro Infantil, a data vai ser ainda mais especial em 2021: isso porque o dia seguinte, 3 de abril, marca o centenário de nascimento de Maria Clara Machado (1921-2001), a maior autora do teatro infantil brasileiro. Fundadora da escola de teatro O Tablado e autora de obras como O Cavalinho Azul e Pluft, O Fantasminha, Maria Clara merece ser lembrada por amantes do teatro, crianças interessadas em cultura e todos que celebram a arte.

Confira outras matérias especiais do portal:
50 anos de Imagine: por que o hino de John Lennon segue atemporal?
Cine Esquema Novo divulga filmes participantes, saiba tudo sobre o festival
Dia do DJ: Juli Baldi dá dicas de apresentações online para você curtir em casa

Listamos cinco motivos para homenagear Maria Clara Machado na data que marca o centenário de seu nascimento.

1. Suas obras são históricas e mantêm-se atuais até hoje

Se a comemoração é também do livro infantil, Maria Clara Machado tem tudo a ver com a data: a mineira escreveu 29 peças infantis, além de livros para o público infantil – obras que mantêm-se no imaginário popular, ainda que tenham sido escritas há mais de meio século. Adaptações de Pluft, O Fantasminha (1955), O Cavalinho Azul (1960) e A Menina e o Vento (1963), por exemplo, ainda se mostram populares e fazem parte da formação de qualquer profissional ou amante do teatro infantil.

Em entrevista à Agência Brasil, Cacá Mourthé, sobrinha da dramaturga e atual diretora de O Tablado, explica bem a maneira como Clara encarava o escrita para crianças: “Clara veio com uma estrutura dramática como se fosse uma peça pra adulto. Como se fosse um Moliére. Eram peças mais curtas mas que tinha a apresentação dos personagens, tinha resolução de conflito. Ela não diminuía a percepção, a sensibilidade de criança”. Assista à montagem de Pluft, O Fantasminha, obra mais conhecida de Maria Clara Machado, feito pela companhia O Tablado em 2013:

2. O Tablado, escola que criou, ainda é uma das mais relevantes do país

Nascida em 1921, Maria Clara Machado fundou O Tablado em 1951, aos 30 anos. Desde então, a escola é uma das referências do teatro – não só infantil – do Brasil. São formados lá alguns dos grandes nomes da dramaturgia nacional do último meio século, como Zezé Motta, Miguel Falabella, Marieta Severo, Andréa Beltrão, Eduardo Sterblitch e Marcelo Adnet. No documentário abaixo, produzido pela Agência Nacional, em 1972, Maria Clara Machado fala sobre os 20 anos de atividades do teatro e mostra aspectos das aulas e ensaios.

3. Lançamentos e conteúdos especiais marcam a data

Uma série de reportagens e produções comemorativas marcam o centenário de nascimento da autora. Na Rádio Senado, o programa Autores e Livros deste sábado celebra a data com uma conversa de Maurício Melo Jr. com a vencedora do Prêmio Jabuti de Literatura, a poeta pernambucana Cida Pedrosa. A EBC também resgata uma série de depoimentos de alunos e colegas de Maria Clara em seu site. Já a produção do programa Caminhos da Reportagem resgatou duas entrevistas históricas concedidas por Maria Clara à TVE do Rio de Janeiro. Uma do ano de 1977, para o programa Os Mágicos e outra de 1984 para Os Astros, em vídeos disponibilizados no YouTube.

4. Maria Clara Machado e O Tablado vão virar filme

Além dos lançamentos especiais, o sábado também marca o lançamento do novo site do filme O Tablado e Maria Clara Machado, de Creuza Gravina, ainda inédito no circuito comercial. O longa deve ser lançado nos cinemas após a pandemia, ainda sem data oficial, mas, até lá, lives e uma apresentação para crianças sobre a obra da dramaturga serão alguns dos eventos realizados pela produção do filme. Uma pré-estreia virtual também está prevista. No sábado, o trailer do filme será apresentado e mostrará nomes como Malu Mader, Marieta Severo e Claudia Abreu interpretando alguns dos personagens mais conhecidos da autora.